Manual do Aluno

Manual do Aluno

UNIFORME:

O uso do uniforme é obrigatório para a frequência às aulas, bem como quaisquer atividades extra (festividades, solenidades cívicas e religiosas, visitas, passeios, formaturas etc…)
Todos os alunos da E.I. ao E.M. devem identificar internamente seu uniforme (nome e série).
Alterações no uniforme, por menores que sejam, impedirão que o aluno participe das atividades escolares, sendo caso de advertência.

O uniforme será adquirido no Colégio Nossa Senhora da Penha.

UNIFORME DE EDUCAÇÃO FÍSICA:
Nas aulas de Educação Física será exigido uniforme específico para a aula bem como o tênis preto com meia branca sem detalhes.

UNIFORME DE FRIO :
Só será aceito agasalho do colégio.
É proibido no recinto escolar usar toca, boné ou similar bem como quaisquer detalhes (desenho , bordadinho , rendinha ) em meias e calçados.
SAPATO E TÊNIS DEVEM SER TODO PRETO (sem detalhes).

NOTIFICAÇÕES:
Qualquer modificação necessária no uniforme, ou o uso de qualquer peça diferente no uniforme escolar por favor escreva na agenda o motivo e assinar. O SOE (Serviço de Orientação Escolar) entrará em contato.

CARTEIRINHA:
Frequência informatizada. No início das aulas os alunos receberão um cartão de identificação e frequência. Se houver danos ou extravio do cartão o aluno deverá solicitar e pagar a segunda via do cartão, na secretaria.
Os professores farão também registro de frequência em diário de classe de todas as aulas ministradas.

AGENDA:
Todos os alunos do Infantil ao EM devem trazer agenda escolar todos os dias. É o veículo de comunicação lar X escola , e deve ser assinada diariamente.
Agenda material diário obrigatório. Do infantil à 4 ª série a professora assina agenda diariamente de 5ª a o E.M. o serviço ou à pessoa a quem se destina o recado.
Sempre que necessário o SOE fará uso da agenda e o responsável deve assinar os bilhetes.

HORÁRIO:
Será dada a tolerância de 10 min. no horário da entrada tanto da manhã como da tarde.
ENTRADA MANHÃ : 6 h e 50 min. (Para todos os alunos)
O portão será fechado às 7 h.

ENTRADA TARDE:
12 h e 50 min.
O portão será fechado às 13 h.

ATRASO
Até o 3ª atraso do mês o aluno tem registro do atraso na agenda escolar e entra no 2 tempo. No quarto atraso do mês e os subsequentes o aluno voltará para casa a família será notificada e o aluno não participará das atividades escolares, salvo com comunicado na agenda assinado pelo responsável e checado pelo SOE.
O HORÁRIO DEVERÁ SER SEGUIDO RIGOROSAMENTE

SAÍDA:
SAÍDA DA MANHÃ : Do Infantil a 4ª série do Ensino Fundamental – 11 h e 30 min.
De 5ª ao EM – mínimo 12h e 20 min.
Máximo 13h e 10 min.
Depende do horário de cada turma.

SAÌDA DA TARDE : Do Infantil a 4a. série do Ensino Fundamental – 17 h e 30 min.
De 5a. a 8a.série do Ensino Fundamental – no máximo 18 h e 20 min.

Toda solicitação para o aluno sair cedo deve estar registrada por escrito na agenda escolar e assinada pelo responsável.

Será dada a tolerância de 10 min. no horário da entrada tanto da manhã como da tarde.

ENTRADA MANHÃ : 6 h e 50 min. (Para todos os alunos)
O portão será fechado às 7 h.

ENTRADA TARDE : 12 h e 50 min.
O portão será fechado às 13 h.

FREQUÊNCIA:
O aluno deve comparecer ao colégio todo o dia uniformizado, com seu material identificado, com sua carteirinha e agenda escolar, no horário de entrada de 6: 50 h. para o turno da manhã e 12: 50 h. para o turno da tarde.
Em caso de doenças, internações e ausências, enviar pela agenda escolar para a secretaria documentação específica que ficará arquivada na pasta do aluno. A documentação justifica a falta, mas não abona.

MEDICAÇÃO:

A escola não deve ministrar medicação. Toda medicação de uso contínua ou periódica, em caso de tratamentos imprevistos deve ser trazida de casa com especificações de como ministrar por escrito na agenda escolar, assinada pelo responsável.

HORÁRIO DOS SERVIÇOS:

A escola não deve ministrar medicação. Toda medicação de uso contínua ou periódica, em caso de tratamentos imprevistos deve ser trazida de casa com especificações de como ministrar por escrito na agenda escolar, assinada pelo responsável.

HORÁRIO DOS SERVIÇOS:

SERVIÇOS MANHÃ TARDE
TESOURARIA 8:00 – 11:00 13:00 – 17:00
SECRETARIA 8:00 – 11:00 12:00 – 17:00
SUPERVISÃO 7:00 – 12:00 13:00 – 17:00
ORIENTAÇÃO 7:00 – 11:30
SOE (TARDE – 2a. 4a. 6a.) 13:00 – 17:00

SERVIÇOS MANHÃ TARDE
TESOURARIA 8:00 – 11:00 13:00 – 17:00
SECRETARIA 8:00 – 11:00 12:00 – 17:00
SUPERVISÃO 7:00 – 12:00 13:00 – 17:00
ORIENTAÇÃO 7:00 – 11:30
SOE (TARDE – 2a. 4a. 6a.) 13:00 – 17:00

TRANSPORTE:
Solicitamos aos responsáveis observar o serviço de transporte escolar. Os horários de entrada e saída são de inteira responsabilidade da família. Até o 3o. atraso o responsável será notificado e o aluno entrará no 2o. tempo aula. Após o terceiro atraso vamos proceder conforme o item atraso.

AVALIAÇÃO DO ALUNO
Capítulo XII – Da Recuperação

Art. 108 – Os estudos de Recuperação se destinam aos alunos com deficiência de aprendizagem de conteúdos programáticos e rendimento insuficiente e tem por objetivo recuperar as deficiências de aprendizagem diagnosticadas e as médias obtidas bimestralmente, de modo que, cada aluno alcance o nível mínimo de aproveitamento fixado nos objetivos de cada disciplina e na redução da repetência.

Art. 109 – O Colégio proporcionará obrigatoriamente, estudos de Recuperação Paralela e de Recuperação Final, para alunos com aprendizagem deficiente e/ou rendimento insuficiente.

Art.110 – Ao final do resultado de cada bimestre será oferecida a Recuperação Paralela para o aluno cuja nota bimestral seja inferior a sete (7,0).

Art. 111 – O resultado (nota) da Recuperação Paralela, quando maior deverá substituir a nota bimestral, quando menor permanecerá a nota do bimestre.

Art.112 – O aluno com a média anual, dos quatro bimestres, após estudo de Recuperação Paralela, inferior a três (3,0) não terá direito à Recuperação Final.
Sendo considerado em Recuperação Final o aluno que obtiver resultado anual igual ou maior que três (3,0) e menor que sete (7,0) podendo ficar na Recuperação Final em até cinco (5) componentes curriculares.
Parágrafo Único – No segmento de C. A a 4a. não há limite de componentes curriculares para Recuperação Final.

Art.113 – Será considerado aprovado na Recuperação final o aluno que obtiver nota igual ou superior que cinco (5,0) e mais que 75% de frequência.

AVALIAÇÃO
Capítulo XIII – As verificação do Rendimento Escolar e Promoção

Art. 114 – Será considerado aprovado o aluno que ao término do 4 bimestre obtiver média igual ou superior a sete (7,0).

Art. 115 – A verificação do Rendimento Escolar deverá ser no mínimo com três (3) diferentes instrumentos de avaliação a cada bimestre.

Art. 116 – O resultado do bimestre será obtido da média dos resultados sem cada 3 (três) instrumentos de avaliação utilizado pelo professor durante o bimestre.

Parágrafo Único – Cada instrumento utilizado terá valores diferenciados.

As avaliações são contínuas e ocorrerão com datas marcadas. O aluno deverá manter continuidade de estudos em casa. A média do bimestre (7,0) sete e será obtida conforme descrito abaixo:

Teste (T): 0 5
Pesquisa (PS): 0 5
Média: T +PS + P
Prova (P): 0 10 2

Seção I – Da Segunda Chamada:

Art. 117 – Após a realização de um dos três (3) instrumentos utilizados pelo professor, no decorrer do bimestre, o aluno que por qualquer motivo tenha sido impedido de realizá-la deverá recorrer à Secretaria do Colégio, solicitando, através de requerimento, a Segunda Chamada do mesmo, pagando a taxa de R$ 10,80 por avaliação perdida.

Art. 118 – O prazo para revisão de qualquer prova será de quarenta e oito horas (48 h) após a data da divulgação da mesma. Deverá ser solicitada através de requerimento, na Secretaria do Colégio.

Art. 119 – O prazo para recorrer ao pedido de 2a. Chamada de qualquer avaliação será de dois dias úteis, após a realização da mesma.

Art. 120 – A Secretaria do Colégio solicitará a justificativa para o aluno recorrer a Segunda Chamada, que poderá ocorrer através de:
Atestado médico;
Declaração de Serviços militares;
Declaração de Prestação de Serviços para órgão público;
Declaração de licença à maternidade;
Declaração de jornada de trabalho;
Justificativo escrito pelo responsável, na Agenda Escolar, a critério da Direção.

Art. 121 – As justificativas a que se refere o Art.120 não abonarão o pagamento da taxa, a quantia previamente anunciada pela Direção, para realização de Segunda Chamada.

Art. 122 – O dia e a hora da realização da Segunda Chamada estará dentro do Calendário Anual, previamente delimitada.

Art. 123 – O aluno que não comparecer à Segunda Chamada, marcada no Calendário Anual do colégio, não terá direito a novo pedido.

Seção II – Da Freqüência

Art. 1224 – Não há abono de faltas ocorridas durante o ano letivo. Serão justificadas e para tal, é necessário a comprovação através de;
a) Atestado Médico;
b) Serviço Militar;
c) Trabalho Extra

Art. 125 – A freqüência mínima é de setenta e cinco por cento (75%) do total de dias letivos.

Art. 126 – A freqüência diária do aluno é controlada por Diários de Classe e ponto eletrônico.

Art. 127 – Não serão computadas como faltas para interferir na promoção dos alunos, os seguintes casos, desde que apresentem documentos comprobatórios:
a) Aluna gestante;
b) Aluno hospitalizado;
c) Aluno com doença infecta contagiosa;
d) Obrigações militares;
e) Serviços de Órgãos Públicos.

DA ORGANIZAÇÃO DISCIPLINAR
Art.129 – Os alunos são passíveis das seguintes penalidades disciplinares no evento de desrespeito a este Regimento:

a) ADVERTÊNCIA VERBAL – Será feita quando da transgressão de uma regra;
b) ADVERTÊNCIA ESCRITA – Será feita em caso de reincidência do aluno;
c) SUSPENSÃO – Quando, depois de esgotados os recursos anteriores, a comunicação com os pais pelo serviço de Orientação Educacional, o aluno insistir em manter comportamento faltoso;
d) NÃO ACEITAÇÃO DA MATRÍCULA – Com expedição de transferência em caso de falta grave que possa causar danos materiais, físicos ou morais a colegas e/ou funcionários do estabelecimento.

Avaliação do Aluno

De todas as mudanças propostas pelas novas maneiras de se ver o aluno, a escola e o professor, provavelmente a que mais provoca os protestos dos professores e até mesmo de alguns pais vêm sendo os critérios de avaliação.
Se buscarmos trilhar um caminho de descobertas junto ao aluno, se queremos estar ao seu lado nos difíceis momentos em que este deverá mudar seus conceitos arraigados para permitir-se apreender uma nova realidade, se desejamos fornecer as ferramentas para a construção de um novo homem, e, principalmente, se desejamos permitir a nós mesmos mudarmos nossos próprios conceitos, será necessário que a avaliação expresse estes novos objetivos. Para que isso ocorra será necessário que reconsideremos profundamente a prática da avaliação e o uso que fazemos dela.

Os instrumentos usados como forma de avaliação deverão assim ser diversificados para permitir ao aluno mostrar-se de diferentes maneiras. A observação contínua do desempenho em aula durante os trabalhos individuais e em grupos, nas provas com ou sem consulta, em atividades artísticas e de expressão individual, a responsabilidade por seu próprio aprendizado, a auto-avaliação, as habilidades intra e interpessoal. Tudo pode e deve fornecer informações para que o professor decida com clareza que rumo tomar em relação a cada aluno.
O professor deverá buscar junto ao aluno a sua auto-expressão, incentivando-o a mostrar sempre aquilo que sabe e valorizando a diversidade de informações na sala de aula, importando-se com a competência e não determinando o caminho trilhado para alcançá-la, a não ser como fonte de informação para si mesmo. Todo conhecimento é útil e importante para o indivíduo e para a coletividade. Nada deve ser descartado ou relegado a segundo plano. Cada indivíduo ou grupo traz conhecimentos próprios que devem ser recebidos pela escola como verdadeiros integrantes do pluralismo cultural de nosso país. As aulas em si já serão momentos de avaliação e o professor deixa de ser o dono do conhecimento para tomar o papel de guia, porém também aprendem no processo.
A prática de atividades centradas em projetos e na solução de problemas (problematização) poderá ser de grande auxílio tanto na avaliação continuada como na recuperação paralela dos alunos.
Aos professores, por meio de oficinas periódicas, deverá ser orientado o caminho a seguir mediante critérios que visam orientar a construção de instrumentos adequados para avaliação da aprendizagem bem como para o controle da qualidade da postura pedagógica. Assim, teremos por base a seguinte orientação nessa construção coletiva do critério de qualidade de um professor e de seu trabalho.

O professor do CNSP deverá:

• Conhecer os conteúdos de sua disciplina e de técnicas atualizadas ligadas a esta, além de estar preparado para o intercâmbio de saberes entre as demais disciplinas de sua área de estudos e de outras. Tal conhecimento será útil na identificação das necessidades de seus alunos no contexto da escola;
• Saber ensinar, saber administrar uma aula de maneira competente e criativa.
• Identificar os valores culturais vigentes e saber beneficiar-se deles em aula;
• Utilizar-se de linguagem pertinente, facilitando a construção de conceitos adequados;
• Administrar as emoções de modo a não ter de apelar para a disciplina autoritária e ainda estabelecer limites sem apelar para a imposição.
Acreditamos que estas competências acima são diferenciais entre um professor bom e os “outros”.

O bom professor estará preparado para avaliar seus alunos já que:

• Perceberá que o momento da prova pode ser um momento de estudo e aprendizagem e nunca transformará esta oportunidade em vinganças ou cobranças;
• Saberá elaborar questões que estejam de acordo com os objetivos do pacto didático, nunca se utilizando de “pegadinhas” para confundir e derrubar o aluno;
• Saberá derrubar as barreiras culturais mantidas através dos tempos em torno das provas;
• Se utilizará de linguagem clara e objetiva nos comandos de questões e tarefas;
• Conseguirá criar um ambiente tranqüilo e favorável ao controle das emoções, evitando que os alunos sejam prejudicados por elas, não importando o tipo de avaliação.

O REGISTRO

Para avaliarmos competências é preciso que façamos registros dos avanços.
O texto dos Parâmetros Curriculares para o Ensino Médio, publicado pelo Governo Federal apresenta as competências e habilidades básicas a serem desenvolvidas em cada disciplinam e poderão servir de fonte de consulta para a confecção de roteiros.
Caberá aos professores, em conjunto, elaborarem anualmente o planejamento de cada disciplina; com a atualização dos conteúdos, as estratégias de ensino, a forma de avaliação, os roteiros para recuperação paralela e dependência, a listagem de recursos didáticos necessários, as datas de eventos de cunho pedagógico, as ementas e o agendamento. Esta prática deverá facilitar o registro e tornará o trabalho mais homogêneo, evitando atitudes isoladas e contradissentes.

CRITÉRIOS

Capítulo XI – Da Dependência:

Art. 104 – O Colégio Nossa Senhora da Penha adota o regime de Dependência e/ou Progressão Parcial para seus alunos e para alunos transferidos para este Colégio, respeitadas as normas próprias do Sistema de Ensino, em até 2 (dois) componentes curriculares a partir do (6°) ano do Ensino Fundamental até a última série do Ensino Médio restringindo apenas a dependência da 9° ano do Ensino Fundamental para o 1º ano do Ensino Médio.

Art. 105 – As dependências podem ser cumpridas por meio de trabalhos, módulos ou aulas especialmente preparadas pela Equipe Pedagógica.

Art. 106 – Ao final de cada bimestre os alunos serão submetidos a avaliação da Dependência que seguem os critérios para promoção constantes deste Regimento.

Art. 107 – Na terceira (3ª) série do Ensino Médio, havendo dependência, o aluno concluinte deverá concluí – la, sendo obrigatório cursar mais um ano para eliminar a disciplina em dependência.

Capítulo XII – Da Recuperação

Art. 108 – Os estudos de Recuperação se destinam aos alunos com deficiência de aprendizagem de conteúdos programáticos e rendimento insuficiente e tem por objetivo recuperar as deficiências de aprendizagem diagnosticadas e as médias obtidas bimestralmente, de modo que, cada aluno alcance o nível mínimo de aproveitamento fixado nos objetivos de cada disciplina e na redução da repetência.

Art. 109 – O Colégio proporcionará obrigatoriamente, estudos de Recuperação Paralela e de Recuperação Final, para alunos com aprendizagem deficiente e/ou rendimento insuficiente.

Art. 110 – Ao final do resultado de cada semestre será oferecida a Recuperação Paralela para o aluno cuja nota bimestral seja inferior a sete (7,0).

Art. 111 – O resultado (nota) da Recuperação Paralela, quando maior deverá substituir a nota bimestral, quando menor, permanecerá a nota do bimestre.

Art. 112 – O aluno com a média anual, dos quatro bimestres, após estudo de Recuperação Paralela, inferior a três (3,0) não terá direito à Recuperação Final. Sendo considerado em Recuperação Final o aluno que obtiver resultado anual igual ou maior que três (3,0) e menor que sete (7,0), podendo ficar na Recuperação Final em até cinco (5) componentes curriculares.
Parágrafo Único – No segmento de C.A à 4ª não há limite de componentes curriculares para a Recuperação Final.

Art 113 – Será considerado aprovado na Recuperação final o aluno que obtiver nota igual ou superior que cinco (5,0) e mais que 75% de frequência.

Capítulo XIII – Da verificação do Rendimento Escolar e Promoção

Art. 114 – Será considerado aprovado o aluno que ao final do ano letivo obtiver média igual ou maior que sete (7,0).

Art.115 – A verificação do Rendimento Escolar deverá ser no mínimo, com três (3) diferentes instrumentos de avaliação a cada bimestre.

Art. 116 – O resultado do bimestre será obtido da média dos resultados em cada instrumento de avaliação utilizado pelo professor durante o bimestre.

Parágrafo Único – Cada instrumento utilizado terá valores diferenciados.
As avaliações são contínuas e ocorrerão com datas marcadas.
O aluno deverá manter continuidade de estudos em casa. A média do bimestre é 7,0 (sete) e será obtida conforme descrito abaixo:

Teste (T): 0 ______________ 5
Pesquisa (PS): 0 ______________ 5
Provas (PR): 0 ______________ 10

Média T +PS+PR
2

Seção I – Da Segunda chamada:

Art. 117 – Após a realização de um dos três (3) instrumentos utilizados pelo Professor, no decorrer do bimestre, o aluno que por qualquer motivo tenha sido impedido de realizá – lo deverá recorrer à Secretaria do Colégio, solicitando, através de requerimento, a Segunda (2ª) Chamada do mesmo.

Art. 118 – O prazo para revisão de qualquer prova será de quarenta e oito (48) horas após a data da divulgação das mesmas. Deverá ser solicitada através de requerimento, na Secretaria do Colégio.

Art. 119 – O prazo para recorrer ao pedido de Segunda Chamada de qualquer avaliação será de dois (02) dias úteis, após a realização da mesma.

Art. 122 – O dia e a hora da realização da Segunda Chamada estará dentro do Calendário Anual, previamente delimitada.

Seção III

Média Bimestral – Resultado da soma do Ponto Conceitual, dos trabalhos (Tb) mais testes (T), mais prova bimestral (P) dividido por dois.

M.B. = C +Tb+T+P = 10
2

Média Semestral – Resultado da soma dos bimestres, dividido por dois. O resultado iqual ou maior que sete, libera o aluno da Recuperação Paralela Semestral. O resultado menor que sete, encaminha o aluno para a aula e prova de Recuperação Parelela Semestral (RPS).

M.S.1 = MB1 + MB2 > 7,0 Liberado. M.S.2 = MB3 + MB4 > 7,0 Liberado.
2 2

M.S.1 = MB1 + MB2 < 7,0 Recuperação Paralela Semestral.
2

M.S.2 = MB3 + MB4 < 7,0 Recuperação Paralela Semestral. 2 Recuperação Paralela Semestral – Aula e prova ao término do primeiro e segundo semestre. O resultado da prova de Recuperação Parelela Semestral (RPS) substitui, se maior, a menor média bimestral. Média anual – Soma dos melhores resultados bimestais, incluido resultado de recuperação parelela semestral, dividido por quatro. M.A = MB1 + MB2 + MB3 + MB4 > 7,0 Aprovado.
4

M.A = MB1 + MB2 + MB3 + MB4 < 5,0 Reprovado em quatro disciplinas. 4 M.A = MB1 + MB2 + MB3 + MB4 > 5,0 < 7,0 Prova Final todas as matérias, salvo artigo 112.
4

Dependência – Após a Prova Final o aluno que obtiver Média Final igual ou superior a cinco será considerado aprovado. Podendo ficar em dependência em apenas duas disciplinas.

Atendimento do Aluno

ATENDIMENTO PELO SEGURO DE ACIDENTES

O Colégio mantém seguro de acidentes com o objetivo de garantir pronto atendimento aos alunos em situações de emergência em casos de acidente. O seguro é individual e válido inclusive quando o aluno encontra-se em casa mesmo nos períodos de férias escolares. Aguarde seu credenciamento.

ATENDIMENTO NA SECRETARIA

Nossa secretaria funcionará no horário das 08:00 às 17:00.
Os pagamentos de mensalidades deverão ser feitos exclusivamente na rede bancária observando-se as datas de vencimentos.

REUNIÕES DE PAIS E RESPONSÁVEIS

O acompanhamento do andamento dos alunos, além de outros assuntos de interesse geral, serão transmitidos ordinariamente através de reuniões bimestrais com os responsáveis.

SOE – SERVIÇOS DE ORIENTAÇÃO AO ALUNO

Objetivos do SOE numa Instituição:

A prevenção do baixo rendimento do aprendente, minimizar os conflitos comportamentais e promover a integração e o interagir do aprendente x aprendente, apredente x professor, aprendente x Instituição, Aprendente x família e família x instituição.

Endereço

Largo da Penha, 19
Penha - Rio de Janeiro

Telefones:
(21) 3887-5155 / 3219-6262
E-mail: faleconosco@cnspenha.com.br